Atenção Plena e Viver no Presente | BioVidaNatural

Atenção Plena e Viver no Presente

Publicado: 26/07/2018

"Investir 10 minutos por dia em atenção plena (ou mindfulness) muda sutilmente a maneira que você reage ao mundo", é o que dizem os especialistas Rasmus Hougaard, Jacqueline Carter e Gitte Dybjajaer. Com experiência no treinamento da técnica, observaram que as pessoas, em especial os líderes, têm se tornado mais reativos e menos proativos. Mas que existe uma saída para essa atitude rígida: a atenção plena. Como explicaremos na sequência, trata-se de criar segundos em cada ação.


A atenção plena, abordada pelos profissionais, consiste em criar um espaço mental entre o segundo que se recebe o estímulo e a resposta que será dada. Um segundo e pronto. Pode não parecer muito, mas é capaz de ser o diferencial entre uma decisão acertada ou uma conclusão precipitada. Sem raiva, mas com paciência. Sem ser contaminado pelo momento, mas estabelecendo uma conexão profunda - mesmo que por esse único segundo - entre mente, emoções e mundo. E, isso vale para tudo, pode ser aplicado no trabalho, com a família e em vários cenários do cotidiano.


A prática da atenção plena vem sendo estudada justamente por conta dessa alteração do cérebro em como nos envolvemos com nós mesmos e o que está no exterior, seja pessoas ou contextos. Com isso, chegou-se a afirmação de que praticar o mindfulness faz com que determinadas partes cerebrais, que são aquelas que cuidam de nosso instinto de "fuga" ou luta", acabam sendo minimizadas. Do outro lado, aumenta-se o chamado "funcionamento executivo", que é onde está o controle de pensamentos, palavras e ações. Ali é que mora a lógica e a contenção de impulsos.

Atenção plena é mais do que um fenômeno do momento


A atenção plena, ou mindfulness, como estudado por Jim Butcher, é uma técnica de gestão que vem pelo menos dos anos 70. De acordo com Butcher, líderes sábios têm - ou deveriam ter - resgatado do passado a atuação do planejamento estratégico em conjunto com a atenção plena. O que pode ser trazido, inclusive, para o âmbito pessoal. Afinal a meditação tem o poder de acalmar a mente, relaxar o corpo, aumentar a resiliência e a consciência situacional. É uma parte da cultura relacionada com bem-estar e motor da criatividade.


A meditação mindfulness pode aliviar a ansiedade e estresse mental. Julie Corliss, editora executiva da Harvard Heart Letter, traz um exemplo familiar de como a técnica não é tão recente assim. A mãe da profissional começou a meditar faz algumas décadas, e em 2014, com 81 anos, ainda fazia parte de um grupo semanal de meditação que praticava a "consciência com foco no presente". Ou seja, a atenção plena. E, mesmo não sendo 100% popular, tem sido procurada por pessoas que buscam calma e querem evitar problemas de saúde.


A editora apresenta estudos que comprovam que a meditação consciente realmente alivia sintomas de estresses psicológicos, como a ansiedade e depressão. Citando outra estudiosa, a psiquiatra Dra. Elizabeth Hoge traz um viés bastante lógico para a aplicação da atenção plena. Pessoas com ansiedade têm certa dificuldade de gerir pensamentos que são uma distração e ainda assim são bastante poderosos, desfocando o que é solução do que apenas uma preocupação incômoda. Essa atitude improdutiva pode ser treinada por meio de uma reeducação baseada em mindfulness.


E como fazer isso? Julie Corliss traz a seguinte frase de sua mãe: "não fique ensaiando tragédias ou tomando problemas emprestados". Basicamente, a atenção plena envolve sentar-se de forma confortável, concentrar-se em sua respiração e, na sequência, trazer a atenção para viver o presente, sem deixar ser atingido por pensamentos negativos e preocupações do passado ou do futuro.

5 dicas para praticar atenção plena diariamente


Rasmus Hougaard, Jacqueline Carter e Gitte Dybjajaer, a partir da experiência prática e estudo acadêmico, chegaram até 5 dicas relevantes para serem aplicadas diariamente. Abaixo, um compilado delas:


  1. 10 minutos diários de atenção plena. É o que você precisa para condicionar a sua mente e criar o "segundo" de raciocínio.

  2. E-mails não são prioridade. Na parte da manhã, é comum que as mentes estejam mais focadas e criativas. Por essas razões, leve em conta o que é estratégico. Ler e-mails quando se levanta desviará para um comportamento reativo.

  3. Sem notificações. Livre-se de notificações por celular ou dispositivos móveis. Sem pressão desnecessária. Faça isso, pelo menos, uma vez por semana e somente verifique seu e-mail uma vez em cada hora.

  4. Nada de multitarefa. Seja no trabalho ou em trabalhos pessoais e em casa, mantenha o foco em uma só tarefa.

  5. Tenha um calendário e use! Faça um check-in semanal ou a cada duas semanas das quatro dicas anteriores, verifique se está cumprindo realmente a prática da atenção plena.


Como bônus, oferecemos uma sexta dica: utilize nossa música gravada sobre o tema e traga a atenção plena para viver mais no presente!

Voltar